Novos tambores de intervenção humanitária Tirem as mãos da Síria!

Ευχαριστούμε τους βραζιλιάνους συντρόφους από τη Liga Comunista για τη μετάφραση στα πορτογαλικά

KED – 08/04/2017

Este artigo foi publicado originalmente em grego em 6 de abril, algumas horas antes dos ataques dos EUA contra a Síria por P. Kar. no site do Ação Revolucionária Comunista , o KED, da Grécia.

Em 1990, algumas semanas antes de os EUA atacarem o Iraque. A foto retrata Nayirah, que se apresentou como enfermeira em um hospital do Kuwait, e continuou a testemunhar que o exército iraquiano expulsou bebês de suas incubadoras, deixando-os morrer «no chão frio». Seria mais tarde revelado mais tarde que Nayirah era na verdade a filha da embaixadora do Kuwait nos EUA.

E depois veio a notícia sobre o ataque químico de terça-feira em Idlib, que alegadamente causou a morte de 72 pessoas, incluindo 27 crianças. Seguindo o padrão conhecido, a notícia foi espalhada imediatamente e em perfeito uníssono por todos os meios de comunicação ocidentais – o que, naturalmente, não se permitiu nem sequer pensar em quem era o culpado (o governo sírio) – antes de encontrar o caminho para As declarações dos funcionários do imperialismo ocidental.A libertação de Aleppo das garras da oposição reacionária e as subsequentes vitórias do exército árabe sírio e dos seus aliados forçaram o governo dos EUA a colocar o rabo entre as pernas e a aceitar temporariamente a realidade no terreno: a derrota do seu poder militar e Exército e, juntamente com eles, a derrota de uma parte importante de sua estratégia sobre a Síria e o Oriente Médio. Há alguns dias, o Secretário de Estado dos Estados Unidos afirmou que o destino de Assad seria «decidido pelo povo sírio», o que era uma grande concessão ao objetivo norte-americano de mudança de regime em Damasco.

Recordando apenas alguns da lista de mentiras intermináveis da mídia ocidental sobre a Síria (por exemplo, a fome em Madaya, o holocausto em Aleppo) deve ser suficiente para que se mantenha uma atitude particularmente cautelosa – para começar – para as últimas notícias.

Uma vez que a história mais recente tem a ver com um ataque químico, seria útil recordar o incidente de Ghouta Oriental que ocorreu em agosto de 2013: outro ataque químico, pelo qual o Ocidente acusou o governo sírio sem qualquer evidência e que quase se tornou o Desculpa para um ataque direto contra o país. Os pesquisadores do MIT mais tarde provariam que era tecnicamente impossível para o exército sírio ter conduzido tal greve, enquanto Seymour Hersh do LRB entrevistaria vários funcionários de inteligência dos EUA que negaram que o governo sírio foi responsável pelo ataque, denunciando «a manipulação deliberada De inteligência «. Note-se que o ataque ocorreu no dia em que os inspetores da ONU estavam chegando na Síria. Deve-se notar também que em janeiro de 2013 o Daily Mail publicou um artigo (que logo seria apagado) que falava sobre um «plano apoiado pelos EUA para lançar um ataque com armas químicas contra a Síria e culpá-lo do regime de Assad». Para mais informações, veja o Capítulo 9 do livro de Tim Anderson, «A Guerra Suja na Síria: Washington, Mudança de Regime e Resistência».

Mas vamos voltar à última história sobre o alegado ataque químico. Um olhar mais atento à história revelará que ele vem, mais uma vez, de fontes opostas (que é de canibais wahhabi e dissidentes patrocinados pelo imperialismo com credibilidade zero). Ver-se-á que o governo sírio, que rejeita categoricamente que realizou um ataque químico, não tinha absolutamente nenhum interesse em realizar tal ataque – ao contrário da oposição, que não tem futuro sem seus patrões imperialistas correndo em seu socorro (nota: nós nos referimos a mesma oposição que tem usado repetidamente armas químicas no passado, algo que já foi admitido porfuncionários da ONU). Observar-se-á também que o incidente teve lugar no próprio dia em que a questão síria seria discutida em Bruxelas. Que coincidência! Para melhorar as coisas, poucas horas depois do incidente, o jornal britânico The Guardian publicaria um artigo do líder dos Capacetes Brancos (defesa pseudo-civil que é na verdade um mecanismo de propaganda patrocinado pelo imperialismo), no qual ele pedia aos líderes da UE que não recuassem do objetivo de mudança de regime na Síria.

Nesta fase, não há razão para crer que o incidente seja outra coisa senão uma provocação destinada a justificar a escalada da intervenção imperialista na Síria. E parece estar funcionando.

Trump declara sinceramente que sua «atitude em relação à Síria e Assad mudou muito», ao mesmo tempo que reverte suas críticas contra a administração Obama, acusando-a de não ter atacado a Síria em 2013. Ao mesmo tempo, Trump diz aos senadores que ele está considerando uma ação militar na Síria e que ele vai se reunir com o Secretário de Defesa para discutir opções militares.

Em um recital de hipocrisia sem fundo, o embaixador dos EUA na ONU adverte que os Estados Unidos podem agir unilateralmente na Síria se o Conselho de Segurança não aprovar sua resolução provocativa (o que poderia muito bem funcionar como base para uma intervenção).

O NY Times e o Washington Post, falando em nome dos altos escalões do estado dos EUA, estão novamente agitando a favor da escalada da intervenção dos EUA por motivos «humanitários»; E o pacote de mídia ocidental segue seu exemplo, repetindo exatamente a mesma linha.

Graças à resistência do povo sírio e de seus aliados, a estratégia do Império para o Oriente Médio tornou-se objeto de explosivos confrontos dentro da elite dominante de Washington. Não é fácil prever qual será o resultado exato desse confronto, mas nossa tarefa não é fazer previsões; É impedir a possível escalada da intervenção imperialista, que aumentará dramaticamente os riscos de violência na região, ameaçando tornar-se a chispa que transformará a guerra regional na Síria numa guerra mundial entre as maiores potências nucleares.

Qualquer ação séria neste sentido exige antes de tudo que a esquerda, ou pelo menos uma parte significativa dela, entenda finalmente o que está acontecendo na Síria e assume a posição correta. A esquerda e seu povo devem estar em alerta para quaisquer desenvolvimentos possíveis.

Advertisements

Σχολιάστε

Εισάγετε τα παρακάτω στοιχεία ή επιλέξτε ένα εικονίδιο για να συνδεθείτε:

Λογότυπο WordPress.com

Σχολιάζετε χρησιμοποιώντας τον λογαριασμό WordPress.com. Αποσύνδεση / Αλλαγή )

Φωτογραφία Twitter

Σχολιάζετε χρησιμοποιώντας τον λογαριασμό Twitter. Αποσύνδεση / Αλλαγή )

Φωτογραφία Facebook

Σχολιάζετε χρησιμοποιώντας τον λογαριασμό Facebook. Αποσύνδεση / Αλλαγή )

Φωτογραφία Google+

Σχολιάζετε χρησιμοποιώντας τον λογαριασμό Google+. Αποσύνδεση / Αλλαγή )

Σύνδεση με %s